Principal
O Brasil vai parar
Trabalhadores do transporte aderem à Greve Geral de 14 de junho
05/06/2019
Dia dos Namorados
Comércio tem horário especial
05/06/2019
Como o seu celular afeta sua saúde mental?
A última década enfiou um computador no bolso de cada um de nós
05/06/2019
17/05/2019

18 de maio: Dia Nacional da Luta Antimanicomial

Representantes da luta antimanicomial criticam Ministério da Saúde na Câmara

Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
I013382.jpg
A previsão de novos investimentos em aparelhos de eletrochoque e em hospitais psiquiátricos motivou a audiência pública

Representantes da Luta Antimanicomial criticam Ministério da Saúde na Câmara
 
As medidas propostas em fevereiro pelo Ministério da Saúde para o atendimento da saúde mental no país foram criticadas, nesta quinta-feira (9), durante audiência pública da Comissão de Direitos Humanos da Câmara.
 
O Ministério publicou uma portaria que prevê investimentos para compra de aparelhos de eletrochoque, internação de crianças em hospitais psiquiátricos e criação de mais vagas para internações para tratamento de doenças mentais e de abstinência de dependentes químicos.
 
O presidente do Conselho Federal de Psicologia, Rogério Giannini, vê com apreensão essas novas medidas, uma vez que a Lei da Reforma Psiquiátrica (Lei 10.216/01) trouxe avanços no respeito aos direitos dos pacientes e na sua reintegração social.
 
Para Giannini, não é possível fazer alterações profundas como as que estão sendo propostas pelo governo sem que haja uma discussão com a sociedade e com os setores envolvidos por diversas vias: “audiência pública, controle social, Conselho Nacional de Saúde e Conferência Nacional de Saúde", disse.
 
Demanda reprimida
 
A representante do Ministério da Saúde, Dilma Maria Teodoro, concordou que a legislação vigente foi um avanço no tratamento da saúde mental, mas alegou que alguns serviços não estão funcionando de forma correta, o que gerou uma demanda reprimida que está prejudicando os pacientes.
 
Ela destacou que os investimentos atendem a um pedido das instituições. Segundo Dilma Maria, a política foi discutida no Conselho Nacional de Saúde e nos conselhos estaduais e municipais.
 
"Continuamos com o processo de desinstitucionalização, para oferecer condições de tratamento para aqueles que estavam morando no hospital – porque realmente não é lugar de ter ninguém morando, concordo plenamente”, explicou. Segundo ela, o Ministério da Saúde está trabalhando na ampliação das residências terapêuticas. “Só que continuamos tendo pessoas com doenças graves que precisam, em crises, de uma internação breve e a gente precisa ter como fazer esse atendimento e fazer um atendimento de qualidade."
 
Discussão ampla
 
A deputada Erika Kokay (PT-DF) informou que a comissão vai pedir uma audiência no Conselho Nacional de Saúde para que a política seja discutida de forma mais ampla.
 
"Nós não estamos aqui lutando apenas para que tenhamos mais serviços substitutivos – que é uma necessidade. Lutamos para que não tenhamos hospitais psiquiátricos. Não tem que existir hospital psiquiátrico! As crises podem ser atendidas no hospital geral”, disse a deputada. Segundo ela, é preciso que haja mais Centros de Atenção Psicossocial com atendimento diurno e noturno (Caps), que possibilitam “outra dimensão de atendimento."
 
Kleidson Oliveira Bezerra é usuário dos serviços de saúde mental e defende que o tratamento só funciona se for realizado no Caps, porque tem adesão dos pacientes, que se sentem respeitados e acolhidos.
 
"É uma loucura manter um hospital psiquiátrico funcionando no tempo que a gente está vivendo hoje. Aqui em Brasília tem um e nos últimos meses faleceu mais de uma pessoa lá. Queremos que fechem o Hospital São Vicente de Paula, construam residências terapêuticas e tirem o viés religioso do tratamento de saúde mental", pediu Kleidson.
 
O representante da Rede Nacional da Luta Antimanicomial, Lúcio Costa, afirmou que a nota técnica do Ministério da Saúde é muito frágil e direciona a política para atender o interesse dos empresários. Ele destacou que existem 103 hospitais psiquiátricos no Brasil; desse total, 64% são privados e se tornaram, ao longo dos anos, locais de segregação de pessoas com deficiência, prática de tortura e cárcere privado. Segundo Costa, “financiar aparelhos de eletrochoque só beneficia os hospitais, que cobram cerca de R$ 1.000 por sessão, porque para os pacientes não há até hoje comprovação científica de que esse tratamento ajude”.
 
 

Fonte : Agência Câmara Notícias







Av. 28 Abril • 621 • sala 302

Centro • Ipatinga • MG • CEP.35160-004

[31] 3822.1240