Principal
13º salário
Metade do benefício pode ser pago junto com as férias
11/01/2022
Reajuste
Salários dos comerciários têm novo aumento
05/01/2022
Boas festas!
Vermelho da LUTA e verde da ESPERANÇA
23/12/2021
30/11/2021

Campanha do Laço Branco
Mulher, tem que ser respeitada!

Ascom/SECI
I014198.jpg

“A tradição dizia pra ninguém meter a colher, 
mas isso salva uma mulher”. 
Alok e GR6
 
“Jamais cometer um ato violento contra as mulheres e não fechar os olhos frente a essa violência”. Com esse lema foi criada a Campanha do Laço Branco, uma iniciativa dos homens pelo fim da violência contra as mulheres. Sua origem está ligada ao crime ocorrido em 06 de dezembro de 1989. Nesse dia um rapaz de 25 anos assassinou 14 mulheres da turma de engenharia da Escola Politécnica, na cidade de Montreal, Canadá. Para esse jovem, o curso deveria ser só para homens. Esse tipo de crime, conhecido como feminicídio, infelizmente não é coisa do passado. No Brasil, há um caso de feminicídio a cada seis horas e meia, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Por causa dessa grave situação de violência e desigualdade, a Campanha do Laço Branco é realizada todos os anos em mais de 50 países. E o SECI, como parte da sua luta em defesa da vida, abraça essa causa promovendo uma atividade no dia 03/12 (sexta-feira), de 12h às 17h, na Praça 1º de maio, no Centro de Ipatinga. 
 
Dados alarmantes 
 
De acordo com uma pesquisa do Instituto Datafolha encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), uma em cada quatro mulheres acima de 16 anos afirma ter sofrido algum tipo de violência no último ano no Brasil. Isso quer dizer que cerca de 17 milhões de mulheres sofreram violência física, psicológica ou sexual no último ano. Essa pesquisa também aponta que a maioria das mulheres sofrem violência dentro da própria casa e os autores de violência são pessoas conhecidas da vítima. Outro dado apresentado pelo Datafolha é que 51,1% dos entrevistados relatam terem visto algum tipo de situação em que mulheres foram expostas à violência no seu bairro ou comunidade ao longo dos últimos 12 meses. 
 
Machismo mata 
 
Mesmo depois de 15 anos da criação da Lei Maria da Penha e da existência de canais de denúncia, como o 180, os casos de violência continuam a permanecer em silêncio. Segundo a pesquisa, 44,9% das mulheres não fizeram nada após sofrerem agressão. O SECI acredita que é urgente mobilizar a sociedade para o enfrentamento da violência contra as mulheres. E para que isso seja possível, é preciso mexer nas raízes do problema, ou seja, derrubar o machismo que faz os homens acharem que são superiores às mulheres. 
 
Em evento do Ministério Público do Paraná, o pesquisador estadunidense Quentin Walcott, destacou que a violência começa no modo como os homens vêem a mulher na sociedade e se comportam em relação a ela. Segundo ele, os homens são os autores de grande parte da violência, porque desde cedo, aprendem que têm que ser “machos”. Além disso, eles têm privilégios que as mulheres não têm. Para ele, as estruturas sociais não promovem a igualdade. Assim, ao ver as mulheres como inferiores ou como objetos, fica fácil maltratá-las.
 
Ideias que alimentam a violência
 
Frases como “tinha que ser mulher”, “isso não é lugar de mulher”, “comporte-se como uma mocinha”, “mas a sua roupa estava curta demais" e “é mulher de malandro”, são algumas das que fazem parte desse universo que desvaloriza e até criminaliza as mulheres vítimas de violência. Em entrevista à Revista Radis, a psicóloga judiciária no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), Mirian Béccheri, afirmou que o machismo traz prejuízos individuais e sociais para a mulher (assédios, menosprezo do feminino, violências em relacionamentos afetivos e outras relações sociais), e impacta negativamente também o homem. Ela, que trabalha com casos de violência de gênero e estudou o tema em seu doutorado na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), explica que os novos posicionamentos e posições da mulher nos espaços públicos de poder ou o simples fato de ela não cumprir com os papeis tradicionalmente esperados dela, como esposa ou mãe, podem implicar em conflitos. Ou seja, a violência é usada para “corrigir” as mulheres que saem dos padrões impostos ou que ameaçam os privilégios dos homens.
 
Dizer não à violência é exigir respeito
 
Por isso, nessa Campanha do Laço Branco realizada pelo SECI a proposta é chamar a atenção para o fator que gera a violência: o machismo. É preciso destruir as ideias que classificam a mulher como incapaz, que limitam o seu potencial e a colocam em um lugar em que é explorada. Para o SECI, quem defende a vida não pode achar normal uma mulher “ter que se dar o respeito”. Não! É preciso respeitar as mulheres, independente da situação, do lugar em que ela está, da roupa que veste, de como ela pensa ou se comporta. Ninguém tem o direito de decidir sobre suas vidas, corpos e ideias. Por isso, é preciso ter atenção para não ficar do lado do agressor, procurando justificativas para a mulher que foi estuprada, agredida ou morta. Lutar pelo fim da violência deve ser uma tarefa cotidiana. Quem sonha com um mundo justo, sem desigualdade e violência, está convidado a “meter a colher” nessa campanha, assumindo o seu compromisso de enfrentar o machismo.
 
Para se inspirar na luta contra a violência
 
Filmes:
Vidas Partidas 
As Sufragistas 
Lovelace 
Histórias Cruzadas 
Anjos do Sol 
Terra Fria 
Preciosa – Uma história de Esperança 
Revolução em Dagenham 
A Cor Púrpura 
Acusados 
Dormindo com o Inimigo
Miss Violence 
Pelos Meus Olhos
Um céu de estrelas
Como se fosse da família 
Nunca Mais
Porto seguro
Um lugar para recomeçar
Antônia
Harriet
Papicha
Sorriso de Monalisa
5 Graças
Deus é mulher e seu nome é Petúnia
Estrelas além do tempo
A informante
 
Documentários:
O Renascimento do Parto 
Silêncio das Inocentes 
Lockdown: Não Tem Vacina
Que bom te ver viva 
Virou o jogo – A história de Pintadas 
 
Séries:
Big Little Lies
Coisa Mais Linda
As telefonistas
Jessica Jones
Inacreditável
Orange Is The New Black
Bom Dia, Verônica
A Vida e a História de Madam C. J. Walker
 
Denuncie!
 
Ligue 180 – Central de Atendimento à Mulher
Ligue 190 – PM
Delegacia da Mulher de Ipatinga - R. Pedras Preciosas, 755 - Iguaçu, Ipatinga (31) 3822-9421.
 

 


Fonte : Ascom/SECI







Av. 28 Abril • 621 • sala 302

Centro • Ipatinga • MG • CEP.35160-004

[31] 3822.1240